24 janeiro, 2008

"O corporativismo dos cartões do PT"...

Os cartões de crédito corporativo do governo federal, criados para gastos "emergenciais", gastos com alimentação, Compra de material, prestação de serviços e diárias de servidores em viagens, acalentam os bolsos de aproximadamente 1600 conluiados com o programa governamental, conferindo-lhes o poder de gastar o dinheiro público sem pagar.
Foram usados em 2007 para pagar despesas em loja de instrumentos musicais, veterinária, óticas, choperias, joalherias e em free shop, conforme dados do Portal da Transparência, site do próprio governo pelo incrível que possa parecer... Os responsáveis pelas compras afirmaram que a prática é legal e todas as compras eram necessárias... Já a ministra Matilde Ribeiro da igualdade social pagou despesa de R$ 461,16 em um free-shop em outubro do ano passado. Alertada pelo ministério, reconheceu o "engano", e afirmou ter ressarcido o valor à União só neste mês, esqueceu-se coitada... Mas ela alega que os demais gastos fora legais, veja se você, leitor contribuinte compartilha da mesma opinião da digníssima Ministra:
Matilde jura que só usou o cartão corporativo para pagar despesas de viagens oficiais. De fato, a petralha viaja tanto que poderia assumir o Ministério do Turismo... No ano passado, pagou 67 contas em hotéis. É rara a semana em que ela não se hospeda em algum estabelecimento. Seu favorito é o ostentoso Pestana, um cinco estrelas que contempla a praia de Copacabana mas precisamente na Av. Atlântica... Ela esteve por lá 22 vezes no ano passado, ao custo total de 10.000 reais.
Em matéria de fome, ninguém pode acusá-la de abandonar a bandeira da igualdade racial: ela usou seu cartão dez vezes em restaurantes italianos, nove em árabes e três em japoneses, prestigiando raças e credos indistintamente, o restaurante popular do Governo faltou oportunidade para conhecer...
A maior parte dos gastos do cartão de crédito corporativo da ministra, entretanto, refere-se a aluguel de veículos. Ela tem um carro oficial em Brasília, mas quando viaja, como não é adépta das caminhadas, costuma alugar um carrinho para passeios... Assim que desembarca em uma cidade, saca o seu cartão oficial e, zás, aluga um automóvel do seu gosto. Em 2007, ela usou nada menos que 126.000 reais com essa finalidade. Curiosamente, se decidisse alugar um Vectra, o veículo mais caro oferecido pela sua locadora habitual, a Localiza, gastaria 116.000 reais por ano. Que tipo de carro será que a ministra aluga? Ou será que estão enganando a pobrezinha e se locupletando de sua ingenuidade "moral"?
No ano passado, toda a máquina federal gastou R$ 75,6 milhões com o cartão de crédito corporativo, aumento de 129% em relação aos gastos de 2006. A elevação se deve ao fato de ter aumentado o uso do cartão, que segundo a CGU (Controladoria Geral da União), é mais transparente e fácil de fiscalizar... Apesar de os gastos serem "emergenciais", o Ministério do Trabalho pagou R$ 480,00 para consertar um relógio importado numa joalheria de Brasília. O ministro dos Esportes, Orlando Silva, gastou R$ 468,05 no restaurante Bela Cintra, nos Jardins, sendo certo que por lá costuma-se gastar em torno de R$ 150,00 por pessoa, mas ao que parece o Sr. Ministro havia incorporado um lutador de sumô japonês em um momento de mediunidade... Detalhe é, que não consta da agenda do ministro na internet nenhuma atividade na data 25 de setembro. Sua assessoria, contudo, alega"problemas de atualização"... E fica ainda uma pergunta: Teria caráter "emergencial"? Mais é claro! Quando a fome bate...
Mas o que representa o completo desvio de finalidade do cartão corporativo no contexto da gestão PT? Quase nada... Apenas serve para asseverar ainda mais o projeto de legalização do crime perpetrado pelo PT, que transforma o crime cometido por seus associados e coligados em atos lícitos. E o raciocínio da corja é simples e constitucional, utilizam do princípio da isonomia material, que trata os iguais como iguais e os desiguais como desiguais. Como se intitulam diferentes, possuem suas próprias regras de condutas, não sendo crime na casta petista o desvio do erário, a corrupção, o favorecimento... Improbidade e crime de responsabilidade entre eles vem na forma de pizza de calabreza a ser degustada às custas do cartão corporativo...
O cartão corporativo é uma espécie de Bolsa Família da elite lulo-petista... Enquanto o cartão corporativo dos pobres do ano de 2006 para 2007 teve um crescimento de 14,6%, o Bolsa Família afiliados consignou um aumento de 129%... Moralidade pública? Que nada! É tudo pelo social...
Sejamos justos num fato, não se pode reclamar de falta de transparência na gestão Lula no que diz respeito a descobertas escandalosas, não sei ao certo se por incompetência ou pelo uso de óleo de peroba facial na certeza da inércia vocacional de seu rebanho, mas "tudo" mostrou-se muito claro, ainda que em meio a sujeira, com o povo sempre optando pela escuridão no propósito de permanecer num eterno sono profundo... Lula agradece...

7 comentários:

Divinas Damas disse...

O cartão de crédito só atrapalha a vida das pessoas, a gente vai gastando, gastando e qdo vê a conta é alta, pobres ministros...Pena que não tenho o tio Lula pra pagar o meu...Ótimo texto! Adorei!!!Bjks

Ronald disse...

Opa Leonardo, chegando agora no seu espaço e já irei linkar lá no meu blog. A baderna lícita anda a solta no Brasil. O que é realmente necessário para nosso crescimento anda à passos de tartaruga enquanto os gastos com mordomias....

ZEPOVO disse...

O cartão corporativo é uma maneira moderna e eficiente de controlar despesas. È transparente na prestação de contas e fica um registro "indeletável" para as devidas análises.
É um avanço em termos de despesas governamentais e equivale ao que se chama " caixa pequeno " de empresas médias. Despesas que não são grandes individualmente e são necessárias para o dia à dia do executivo, não podendo esperar a burocracia.Em tempos anteriores, um relógio, uma copiadora ou equipamento quebrava no gabinete do ministro e seu secretário tinha que pedir para algum empressário "colaborar", caso contrário a solução do problema levava meses!
Os gastos ora alardeados em outros tempos seriam impossíveis de serem identificados, e só foram "descobertos" para serem criticados porque o sistema é bom e funciona.

Existem sim, ABUSOS E MALANDRAGEM, mas em outros governos foi pior porque ninguém sabia.

NÃO JUSTIFICA NEM EXPLICA, mas queiram ou não é um avanço, que a médio prazo será uma excelente ferramenta de contrôle... até para a oposição.

Marcos disse...

É mais uma prova que o PT não queria o poder para mudar os antigos vícios, mas para utilizar mais e pior as benesses da viúva do que utilizaram seus sucessores.
O Zé Povo está esquecendo de um "pequeno" detalhe em suas considerações a favor do uso do cartão de crédito corporativo: embora haja transparência no controle dos gastos (pelo menos dos cartões) ninguém que ultrapasse os limites morais, de bon senso ou legais é devidamente punido.

ZEPOVO disse...

Marcos, ( com licença Leonardo...)

Tem a piada do cara que ao chegar em casa encontrou a esposa com outro no sofá da sala e tomou uma atitude:
Queimou o sofá!

Eu acho o cartão bom e eficiente. Os que abusam DEVEM ser punidos, não o cartão, lembro que este cartão nem foi implantado pelo PT e sim no governo anterior. É uma coisa boa e vejo bloguista atacando o cartão ( botando fogo no sofá..)

Leonardo disse...

ZÉPOVO, FIQUE A VONTADE PARA COMENTAR E OPINAR, É UM ESPAÇO ABERTO E DEMOCRÁTICO, EMBORA ESSA PALAVRA ESTEJA EM DESUSO NA PRÁTICA... rs
UM DETALHE, QUE VC COLOCOU MUITO BEM: O CARTÃO CORPORATIVO É UMA CRIAÇÃO DO GOVERNO FHC, OCORRE QUE O ESCÂNDALO QUE TROXE A COLAÇÃO O ASSUNTO CARTÃO CORPORATIVO, LAMENTAVELMENTE, OCORREU NA GESTÃO ATUAL...
CONCORDO TB, QUE TEM HAVIDO CONFUSÃO AO SE ANALISAR A VALIDADE DE SUA EXISTÊNCIA. PORÉM ESSE EMBRÓLIO FOI CAUSADO PELO SEU MAU USO, PELA FALTA DE MORALIDADE NA UTILIZAÇÃO DESSE INSTRUMENTO, QUE REALMENTE PRODUZ A AGILIDADE NECESSÁRIA PARA AS QUESTÕES "EMERGENCIAIS", REPITO, EMERGENCIAIS! rsrs
UM ABRAÇO;
PRAZER;
NAMASTÊ!

J. Sepúlveda disse...

Leonardo, o seu comentário é perfeito e muito bem focado.

Restam algumas dúvidas. Os noticiários estão dando atenção aos gastos absurdos (restaurantes, hotéis, carros alugados, etc.). E os saques em dinheiro vivo, sem justificação, que perfazem vários milhões? Em que escaninhos da corrupção foram parar?

A Ministra da "igualdade" racial fez a festa. Mas parece que estão esquecendo o "chefão", o Presidente Lula. Os cartões da Presidência são um "buraco negro".

Quem vai investigar?