29 janeiro, 2008

ABUSO CONTRA O PODER FAMILIAR!

O esbravejo que o Sr. dos tempos fez à Igreja Católica de Recife por ter decidido acionar o Ministério Público contra a distribuição da pílula do dia seguinte faz por merecer considerações, ao se levar em conta a história de manipulação do Estado no processo de controle, ou descontrole de natalidade... Não devem as organizações cristães rebelarem-se pelo moral para invadir postos de saúde. Não devem tentar arrancar as pílulas das mãos ou dos bolsos das menininhas. E o que dizer de recorrer-se à Justiça através do Ministério Público? Ah, isso a democracia ainda lhes garante como direito constitucional... Ou o Sr. Temporão não respeita a igreja nem a constituição... Os postos de saúde, hoje em dia, distribuem a tal pílula do dia seguinte a meninas a partir dos 11 anos de idade. Pode ser até menos, sim, se ela já tiver tido a primeira menstruação. Há, nas partes um pouco mais civilizadas do país, algum cuidado — bem pequeno. A menina (não, ela não precisa estar acompanhada do pai ou da mãe) passa por um médico. Não é um ginecologista. É o generalista que estiver de plantão. Troca uma idéia e leva a pílula. Há algum limite, sei lá, uma por mês? Não!!! Fica a critério de quem atender. No Brasil maior e descuidado, o não-civilizado, é chegar, pedir e levar se o produto estiver disponível... O que se está fazendo em Recife? Justamente isso, e com o apoio do “progressista” Sr. do tempos. A garotinha passa no posto, pede a pílula e cai na esbórnia despreocupada da "qualidade" dos "bilaus" que irá conhecer, pois tem a "garantia" que não aparecerá embuchuda meses depois, graças a graça do Sr. dos tempos... E a camisinha por vezes distribuida? Para ela desnecessária... Ora, passe ali na esquina e tome o remedinho diz o "bilau" festeiro...
Não custa lembrar, que hoje você não consegue verificar a sua pressão arterial numa farmácia, é proibido... Mas a uma garota menor de 11 anos é permitido tomar uma dose cavalar de hormônio sem que seus pais ou representante legal tenha conhecimento...
E, ATENÇÃO, NÃO SE CONHECEM AINDA OS EFEITOS A LONGO PRAZO DA TAL PÍLULA...
Sem assistência médica e sem que a sua família saiba ou seja informada...Onze anos ou menos... Tudo escondido dos pais... Com a anuência estatal... É...
E um detalhe para atiçar sua curiosidade: Verifique na farmácia o valor desse contraceptivo... Distribuição gratuita... Algo me diz que barriguinhas irão crescer neste carnaval... Doencinhas vão aparecer... E fica uma última pergunta: Onde fica o poder familiar? Usurpado pelo Estado?
Camisinha sim! Pílula do dia seguinte a revelia de seu representante legal... Será que sua garotinha que vai pegar a pílula do dia seguinte irá usar camisinha? Só se for para fazer bolinha...
Deixo claro, que a distribuição de camisinhas tem meu total apoio, ainda mais se for corroborada com campanhas educacionais de conscientização da importância do seu uso. O grande engano desta política pública, no entanto, é o governo achar que dando a "milagrosa" pílula do dia seguinte a infanto-juvenil irá exigir o uso da camisinha por seu parceiro... Não custa lembrar ainda, que essa pílula além do mal hormonal que pode causar tem uma falibilidade muito maior que o preservativo em matéria de gravidez... Seu uso é aconselhado para casos de acidente, como o estourar do preservativo, algo muito raro se bem utilizado e não como método contraceptivo primário.
Assim ficará o papo do bilau com a shaninha, caso permaneça essa política incoerente no carnaval:
Diz o bilau festeiro: Camisinha pra que? toma isso aí depois que não engravida...
Responde a shaninha: Mas e as doencinhas?
Diz o bilau: Isso eu não tenho, "sempre usei camisinha", mas agora nem precisa mais, vai ser muito mais gostoso...
Pensa e responde a shaninha: Ah! Pelo menos não vou engravidar... Confio em você heim, vem!
Foi...

2 comentários:

Divinas Damas disse...

Acho que poder familiar é algo que não existe mais, ou melhor, existe em pouquíssimas famílias, pq a partir do momento que uma criança de 11 anos precisa tomar pílula do dia seguinte é pq tem uma família totalmente ausente em relação à educação. Posso parecer uma velha falando isso, mas essa geração de está totalmente perdida...uma geração de gente burra, cheia de DSTs e colocando mais gente burra e sem limites no mundo.

ZEPOVO disse...

Olha, muita coisa está errada na educação da criançada de hoje. Acho que não existe mais retorno, a não ser o delírio infinitamente pior de um estado dominante, com pelourinho na praça e penas cruéis.
Depois das modernas técnicas que os psicólogos ensinaram aos papais, em livros e nos programas de TV tipo "Ana Maria"; Depois da famosa "produção independente" da XUXA a senha foi dada:
O sexo é natural, lindo e todos podem transar com todos, mesmo os mais novos...é muito facil de aprender...quanto antes melhor.
O problema é que a brincadeira gera molequinhos de verdade...droga...nada é perfeito neste mundo!
Diante deste cenário, acho que a atitude do Ministério de Saúde está muito certa. É corajosa, necessária e prática. Não é demagógica e não orgulha ninguém, mas é o que se pode fazer, já que a sociedade aceitou que suas filhas de 12 anos podem transar com o namoradinho, vale até contar para a vizinha com orgulho da filhinha...
Triste é um recém nascido no lixo...