11 janeiro, 2008

O mundo observa...

O mosaico é voltado precipuamente para as mazelas da América Latrina. Todavia, resta por imperioso, como fenômeno da globalização, o avanço de fronteiras. A política e a economia americana por exemplo, é parte da economia e da política de cada país considerado de per si, não havendo como alienar-se de sua história presente, em uma observação macro, se vislumbrarmos traçar premissas verdadeiras de nossa realidade.
Dando uma rápida visão político-histórica, à título de esclarecimento, do que vem a ser de forma sintética a democracia americana do voto, digo o seguinte:
O Partido Democrata foi fundado em 1836 por Andrew Jackson a partir de uma divisão do Democrata-Republicano, este fundado por Thomas Jefferson em 1793. Durante o século XIX foi um partido de ideologia conservadora, mas no século XX foi alvo de uma reviravolta ideológica utilizando a nova vestimenta de uma nova esquerda liberal, formando o que hoje chamamos de "centro-esquerda". Já o Partido Republicano, incorpora em suas linhas ideológicas o conservadorismo. Foi organizado em Ripon e Wisconsin em 28 de fevereiro de 1854, não devendo ser confundido com o Partido Democrata-Republicano de Thomas Jefferson ou com o Partido Republicano Nacional de Henry Clay, sendo considerado hoje um partido de "centro-direita".
Ao contrário da nossa realidade, na América há um compromisso partidário com a ideologia, conseguindo-se traçar com certa nitidez e clareza as políticas públicas e relações com o meio de cada legenda e filiar-se a realidade que melhor adequar-se às suas escolhas prioritárias.
Quando se pensa na interferência do imperialismo norte-americano em nossa cultura tupiniquim, tira-se de dentro de cada brasileiro não alienado um torcedor entusiasta por Hillary Clinton. Alguns críticos levantam a bandeira, que vem dos Democratas a péssima influência da política Neo-Liberal brasileira tão criticada por Lula e tão copiada e praticada por seu governo, ainda que com "alguma" incompetência e muita sorte... Inexorável é, que a visão micro e conservadora do partido Republicano não se coaduna com a saúde do resto do mundo e tão pouco do Brasil, que torce por uma vitória Democrata e o cultivo de uma política que propicie o desenvolvimento sustentado de todos em prol das gerações futuras...
Que ao final brindemos o adeus ao Republicano Bush em prol da dignidade da pessoa humana... E que venha Hillary! Torçamos pela América, pois por aqui só com reza muito forte em 2010...
E fica uma questão interessante à ser desvendada entre os Democratas, a disputa das minorias pela maioria. Hillary ou Obama? Uma mulher ou um negro como figura de maior destaque no cenário mundial?

Um comentário:

Lilian disse...

Ótimo texto! Eu torço por ela desde sempre, espero que ganhe, e tb espero que não decepcione como as mocinhas que estão ou já estiveram no poder por aqui.