18 abril, 2008

Nada como um dia após o outro...

O dólar viveu ontem mais um dia de perdas diante do real, para terminar vendido a R$ 1,657, menor cotação desde maio de 1999.
A fraqueza da moeda americana não é um fato restrito à divisa brasileira. Mas, considerando os últimos 12 meses, o real tomou a ponta entre as principais moedas que mais ganharam valor diante do dólar.
No período, a moeda Norte-Americana sofreu desvalorização de 18,61% em relação ao real. Outras moedas, porém têm vivido movimento análogo. Destacam-se, em 12 meses, as quedas amargadas pelo dólar diante de divisas como peso colombiano (-16,35%), novo sol peruano (-14,61%), iene (-14%), peso chileno (-13,54%), dólar australiano (-10,99%) e euro (-10,82%). Nas operações de ontem, o dólar chegou a ser negociado em seu menor valor histórico diante do euro, a US$ 1,5982.
No mercado brasileiro, o dólar já recuou 5,48% apenas neste mês. Ontem, caiu 0,42%. Enquanto isso, os juros foram consideravelmente reduzidos nos EUA -de 5,25% em setembro para 2,25%.
São indubitavelmente realidades distintas. Aqui no Brasil criou-se o PAC emblematicamente como projeto que apresentaria crescimento de grandes proporções na economia, ainda que contando com a indelével ausência de infra-estrutura, mas impelidos pelo pífio resultado apresentado pela economia, mesmo quando comparado com nossos vizinhos sub-desenvolvidos. Em contrapartia no afã de conter a inflação aumenta-se o juro, o que provoca a curto/médio prazo restrição ao consumo e conseqüentemente ao crescimento, pois o país por obviedade meridiana torna-se mais caro. Desequilibra-se a balança comercial e desfaz-se a alcunha de país exportador a todo momento ventilada, tornando-se sim, importador, fator que compromete o crescimento, já que desestimula a produção interna. Não há como deixar de lembrar ainda, que a valorização de nossa moeda ligada ao aumento de juro é provocador da entrada de capital especulativo, no fenômeno que mencionei em postagen infra, "carry-trade", o que também faz valorizar nossa moeda em relação ao dolar...
Enquanto isso os EUA, que vive seu momento recessivo, ávido por crescimento percorre o caminho diametralmente oposto ao nosso, com juro baixo, início de uma retomada de crescimento e diminuição cada vez maior das importações, conseguindo iniciar seu caminho em busca uma balança comercial mais equilibrada.
Cabe a pergunta, o PAC seria um projeto do governo Lula ou do governo Bush? Se a máxima de que tudo que é bom para eles é ruím para nós for verdadeira, este ano cresceremos menos que Uganda...
Posso afirmar sem medo de errar, que ou teremos inflação alta ou crescimento vil... Façam suas apostas... Como se percebe, a conjuntura desfavorável que seu antecessor enfrentou começa a dar sinais, vamos aguardar o comportamento do restante do governo Lula, para aí sim, podermos comparar, como gostam suas amantes situações semelhantes...
Enquanto isso nossa carismática, hahaha, desculpem-me, Sinistra Dima viaja com Lula e o dinheiro público em sua campanha presidencial...

2 comentários:

Marquer disse...

O crescimento está baseado em lógica de igual sentido. Se quer crescer, tem de haver condições (juro permissivel), produção (consumo de produtos internos) e consumo (poder aquisitivo). O que se faz fora esta lógica, acho ser fantasia! É o que os EUA estão fazendo, a coisa mais lógica. Todos sabemos que PACs jamais farão o País crescer...ninguem cresce so com propaganda.

Agora veja, frente aos resultados de creditos irrestritos dados pelo governo, e consequente comprometimento de grande parte do orçamento de várias familias, teremos um consumo interno aquecido por quem? Isso fora outras coisas..muias outras consequencias de atitudes desastrosas ja tomadas...
O tempo ja ta mostrando as consequencias de atituides de leigos em cargos nada adequados a esses...!!!
O que o Brasileiro, coitado, ainda não aprendeu a ver, é que qualquer atitude tomada hoje, so vai ter resultados muito tempo depois...a palavra "planejamento" já sugere isso.
Estamos agora começando a colher os frutos de várias atitudes tomadas a tempos atras, mas camufladas, ou suas consequencias adiadas pelas boas condições de entao.

Angel disse...

Você como sempre brilhante!!!!