25 abril, 2008

Paraguai busca mesmo caminho boliviano apresentando proposta de fazer rir os palhacinhos desse circo apelidado de Brasil, mas...

E o Governo Lula não para de bater cabeça...
Depois de Evo "gozar" com o "pau Brasil" esporrando petróleo para o lado da Bolivia na patética doação da Petrobrás, depois de oferecer a cabeça à prêmio na questão dossiê, que concatenou a ausência de ética à incompetência costumeiras, o governo agora se perde em meio a mais um paradoxo na questão Paraguai/Brasil/Itaipú.
Pois bem, olha o que disse Lula à imprensa na manhã desta segunda (21):
"Não vou alterar o tratado, como defende Lugo. "Nós temos um tratado, e o tratado vai se manter", disse depois de participar de uma reunião na Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento).
No mesmo dia (21), na parte da tarde o Sinistro Celso Amorim "vomita":
"Vamos continuar discutindo com o Paraguai normalmente como ele pode obter uma remuneração adequada para sua energia. Isso é justo".
Para esclarecer, de acordo com os termos do tratado de Itaipu, a energia gerada pela usina deve ser dividida igualmente entre os dois sócios. Porém o Paraguai utiliza apenas cerca de 5% dessa energia, quantia que é suficiente para suprir 95% de sua demanda. O excedente é vendido a preço de custo ao Brasil, onde 20% da energia elétrica consumida vem de Itaipu.
O ex-bispo Fernando Lugo declarou após ser eleito, que pretende "discutir Itaipu ao máximo" não descartando recorrer à Corte Internacional de Haia. Durante a campanha, ele já havia dito que os US$ 300 milhões pagos pelo Brasil ao país anualmente são "irrisórios" e defendeu um 'preço de mercado', entre US$ 1,5 bilhão e US$ 2 bilhões.
Olhem que interessante e o quanto "legítimo" é o pleito paraguaio:
Metade do rio é do Paraguai e metade é do Brasil. A usina foi construída com a alavancagem de recursos (endividamento) obtidos pelo Brasil e com o know-how (conhecimento) do Brasil. Itaipu custou US$ 12 bilhões e o Paraguai participou apenas com US$ 50 milhões, o restante foi financiado pelo Brasil, que teve de levantar capital emprestado nos mercados interno e externo. O Paraguai ganhou um empreendimento que hoje está na monta de US$ 60 bilhões. Metade do empreendimento equivale a algumas vezes o PIB (Produto Interno Bruto) do Paraguai, sendo certo, que a contribuição paraguaia para o processo limitou-se ao fato de estar na fronteira com o Brasil... Em suma, já à época, vislumbrou-se um negócio da China para o Paraguai e paraguaio para o Brasil... Ah! E a proposta paraguaia é por um aumento de tarifas de energia elétrica a ser arcada pelo o consumidor brasileiro...
Concluo disso tudo, que Lula é novamente culpado! Culpado por sua bestialidade ínsita, que em uma linguagem jurídica se diria "propter rem", leia-se em razão da coisa (besta barbuda), agora extraordinariamente não por sua declaração, de uma obviedade lulante para os que se encontram menos ébrios, mas sim, ainda no "juridiquês", por "culpa in iligendo", leia-se, por escolher bestas à sua altura, para que possam bater cabeça em igualdade de condições, sem que nenhuma das cabeças se retire para que a outra não fique sem seu único, precário e primitivo uso...
E assim pensou Lugo:
"Naquele circo repleto de palhacinhos adestrados, se chegarmos com uma piada, certamente seremos muito bem recebidos, e se gargalharmos um pouquinho de suas caras como fez nosso vizinho curumim, conseguiremos tirar suas calças e todos poderemos rir sem pagar ingresso"...
Plagiando os que em nossa história mais recente pouco falaram, mas muito disseram, em desagravo aos seus paradoxos:
Oh! Celso... Por que non te calas?
Oh! Seu Celso... Pede pra sair!!! Pede pra sair!!!

3 comentários:

Anônimo disse...

Ok, Garoto!

,,, Uma das poucas coisas que ainda nos resta é o direito de esporrar "petrozoides" nesse desgoverno da moralidade !!!

Marquer disse...

Leonardo,

Gostaria de dar uma sugestão para melhorar e ampliar os modos de participação de seu blog, mas não gostaria de fazê-lo por aqui.

Hà algum mail (nao encontrei) para que te possa levar essas sugestões?

LEONARDO SARMENTO disse...

Marquer,

meu email de contato é

lbsarmento@gmail.com

Abraço